Lair Ribeiro
São Paulo, 22 de Outubro de 2014

col-lair.JPG

lair_ribeiro.jpg

  www.lairribeiro.com.br

 

 Estresse: a força da vida
Em 1936, em Montreal, Canadá, o Dr. Hans Selye descobriu que o organismo, quando em contato com alguma mudança física ou psíquica, interna ou externa, reage da seguinte forma: aumenta o córtex da supra-renal, reduz as defesas do organismo e aumenta as lesões gástricas e duodenais, caracterizando um quadro que, se prolongado, pode causar hemorragias e levar à morte. Em seguida, sua descoberta foi publicada na respeitada revista inglesa Nature. Pronto: estava descoberto o estresse.
Estresse é a força que mantém o nosso instinto de sobrevivência; é a reação de luta ou de fuga do organismo diante de um perigo eminente. Portanto, as reações identificadas pelo Dr. Selye são decorrentes do processo de adaptação do organismo para tentar sobreviver a um agente estressor e revelam a inteligência do organismo para lidar com adversidades.
Hoje, sabe-se que a intensidade dessa reação orgânica depende apenas da tolerância do indivíduo ao agente estressor. É o mecanismo de tolerância individual que irá influenciar na evolução do estresse para eustresse (positivo) ou distresse (negativo).
Vamos entender o processo orgânico do estresse:
O Sistema Nervoso Autônomo (SNA), parte do nosso sistema nervoso que responde por manter estável o organismo frente às necessidades de adaptação aos meios internos e externos, age controlando funções, como circulação sanguínea, sudorese, temperatura corporal, respiração e digestão, entre outras, e divide-se em Sistema Nervoso Simpático (estimulante) e Sistema Nervoso Parassimpático (bloqueador).
A maioria dos órgãos recebe estímulos tanto do sistema nervoso simpático quanto do parassimpático, e como cada um produz uma resposta diferenciada, a ação deles, em conjunto, possibilita um controle eficaz dos órgãos.
Ao entrar em contato com um agente estressor, o organismo responde, dando início a significativas alterações no Sistema Nervoso Autônomo. Então, Sistema Simpático ativa as glândulas supra-renais e intensifica a liberação de adrenalina, de cortisol total e de cortisol livre. Terminado o contato com o agente estressor, o organismo retoma seu equilíbrio, mas se a exposição ao agente agressor continuar, o cortisol continuará sendo liberado, bloqueando a ação da serotonina, conhecida como “hormônio do bem-estar”. Então, o quadro clínico do indivíduo torna-se instável, alternando ansiedade, depressão e insônia. Se isso perdurar, ele se sentirá fatigado e com baixa imunidade, aumentando as chances de contrair doenças.
O organismo pode, ainda, entrar em estado de fadiga crônica. Então, a supra-renal, em exaustão, deixa de responder e ocorre uma queda na produção de cortisol livre, mas continua crescente a liberação de cortisol total. Entre as patologias apresentadas em indivíduos com fadiga crônica, temos as de origem metabólica, como diabetes e obesidade, as fisiológicas, como hipertensão, e as emocionais, como insônia, falta de libido e depressão.
Buscar equilíbrio e coerência entre pensamentos, palavras e ações é fundamental ao controle do estresse. Também é preciso adotar um estilo de vida mais saudável, com alimentação equilibrada, atividade física regular, lazer, relacionamentos saudáveis... Os desafios, assim como o estresse, são importantes, mas você só usufruirá de seus benefícios se souber lidar com eles.


 

 

Dr. Lair Ribeiro — Palestrante internacional, ex-diretor da Merck Sharp & Dohme e da Ciba-Geigy Corporation, nos Estados Unidos, e autor de vários livros que se tornaram best-sellers no Brasil e em países da América Latina e da Europa. Médico cardiologista, viveu 17 anos nos Estados Unidos, onde realizou treinamentos e pesquisas na Harvard Unversity, Baylor College of Medicine e Thomas Jefferson University.
Webpage: www.lairribeiro.com.br
e-mail: lrsintonia@terra.com.br
Tel.: (11) 3889.0038

 

 

 

Alessandro Ferro
Andrea Matarazzo
Angela Maria Pereira
Ari Friedenbach
Camilo
Carlos Ferrari
Celso Fernandes
Cloves Reis
Danielle Curia
Esther Angrisani
Fernando Jorge
Germano Augusto
José Américo
José Paiva Netto
Lair Ribeiro
Mario Covas Neto
Ovadia Saadia
Paulo Panayotis
Rodrigo Azevedo
Salani
Sevilha Nogueira
Sheila Grecco
Solange Melo
Vito Zanella
Wanderlei Celestino